Pequenas vitórias aqui e ali

Estou conseguindo umas vitoriazinhas:

          1) Graças à conversa que eu tive com a sobrinha do meu namorado, decidi que não iria mais dirigir até a cidade em que ele se consulta com a psiquiatra. Como não dirigir foi recomendado pela própria médica, esta incumbência ficou comigo. Mas era muito estressante dirigir um carro que não é meu, em uma rodovia movimentada, durante uma hora e meia. Também tomo meus remédios. Não sou mais segura na direção como eu era no passado. Minha mãe também me alertou bastante sobre isso: a possibilidade de causarmos um acidente. Também devo esta vitoriazinha a ela. Então falei com os filhos do meu namorado, expus a situação de o pai não estar em condição de dirigir. O meu namorado, assim como eu – no início – , não queria dar este trabalho aos filhos, mas eu é que não vou ficar com uma bomba dessas  Então os filhos se organizaram e um deles veio nos buscar. De agora em diante ficou estabelecido que um deles virá nos buscar quando precisarmos.

          2) Recebi um dinheiro de uma ação judicial e consegui pagar um dos meus empréstimos, aquele que tinha as taxas de juros mais altas. Ainda tenho dois empréstimos (que estou pagando) e duas dívidas (que parei de pagar). Meu nome está sujo. Como pode uma pessoa gastar o dinheiro da venda de uma casa e ainda ficar endividada? Transtorno bipolar. Enfim, nunca perco a esperança de finalmente gerenciar o meu dinheiro. Seria a maior conquista da minha vida, possivelmente. Quando recebi o dinheiro da ação, comprei um edredom de tafetá (para ostentar, porque não vou dormir em um edredon de tafetá) e um porta-joias antigo. Esta sou eu, por enquanto. Mas não para sempre!

        3) Eu e meu namorado estamos em uma boa fase. Ele está carinhoso, me beija e me abraça de madrugada. Acho lindo! Ele nunca mais falou aquelas sandices de me abandonar. Estou feliz. Ele está cada vez mais dependente de mim – o que me satisfaz à medida em que perco o medo de ele me deixar. Mas é claro que eu sei que não se constrói um relacionamento saudável com base na dependência, e sim na interdependência. Preciso ficar atenta para não incentivar a dependência, já que uma parte de mim a deseja.

           4) Meu humor está bastante estável. Eu me sinto bem o tempo todo. Sono normal, tranquilo. Estou precisando dormir cada vez menos. Acordo às seis, seis e meia. Fico um pouco na cama e depois vou aguar as plantas. Em seguida fico na internet (facebook), ou venho atualizar meu blog querido. O namorado dorme muito, aproveito estes momentos para fazer as minhas coisas, já que quando ele está acordado me demanda como um bebê – de novo voltamos à questão da dependência. Vou trabalhar isso com meu psicólogo.

          5) Meu relacionamento com a minha mãe está bom, vejam que coisa inédita. Como é maravilhoso ter meu próprio espaço, não precisar morar mais com ela! Assim ela me respeita muito mais, e eu sou muito mais tolerante com ela. Nossa relação passa de infantil a adulta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.