Amanda diz NÃO à melhor amiga

Minha melhor amiga está passando por muitas dificuldades conjugais e financeiras. O marido dela endividou-se de tal maneira que precisou pedir dinheiro a agiotas. Além disso, falsificou cheques.

Minha melhor amiga é muito contida em questão de dinheiro. Organizada. Planificada. Metódica. Regrada.

Quando ela descobriu as falcatruas do marido, entrou em processo de fúria (temperamento forte!). Bateu nele fisicamente. Ameaçou interditá-lo. Mandou-o sair de casa. Ele não saiu, estão juntos, mas em condições péssimas.

Pediu-me auxílio financeiro, mas eu não tenho dinheiro para emprestar. Então pediu-me que entrasse numa negociação fictícia perante o banco, no qual ela “compraria” o meu carro para poder levantar algum dinheiro. Tudo fajuto, o carro ficaria comigo, era só para que ela pagasse as piores dívidas. No início, assenti. Depois, foi crescendo dentro de mim um temor muito grande de perder o meu carro. Quem sabe o que o marido dela pode aprontar? O cara é amoral em termos de dinheiro.

Fiquei tão indecisa… Minha melhor amiga passando por dificuldades, e eu não querendo ajudar… Se eu tivesse dinheiro, eu daria a ela, nem sequer emprestaria…

Foi chegando a hora de irmos ao cartório para oficializarmos o negócio. Eu cada vez com mais medo. Por fim, decidi dizer não.

Que pena, possivelmente a nossa amizade vai sofrer um abalo. Eu nunca queria uma coisa dessas. Mas pelo menos o documento do carro que levo em minha bolsa continuará em meu nome.

Por um lado, penso que fui egoísta; por outro lado, penso que é necessário aprender a dizer não.

Meu marido ficou com dó dela. Ele é muito humano. A reação dele quase me fez voltar atrás.

Por conta da minha doença e da desorganização que ela provoca, o carro ficou muito enroscado. Penso na trabalheira que foi passar este carro para o meu nome, pois estava no nome do marido número cinco, minha carteira de habilitação estava vencida há anos e eu tinha perdido o documento que faz a transferência de um dono para outro. Tudo por causa de uma transação bancária fictícia, na qual eu vendi o carro para ele para levantar algum dinheiro, exatamente igual a essa transação que minha melhor amiga queria fazer comigo. Quando finalmente regularizei tudo, foi um grande alívio.

E agora eu estava prestes a entrar em outro enrosco. Disse não. Não me arrependo. Era peso grande demais para uma bipolar, assunto que já abordei no post A segurança necessária ao bipolar.

Espero de coração que a nossa amizade continue a mesma.

Escrevi uma carta a ela abrindo meu coração e pedindo perdão. Não vou procurá-la, vou esperar que ela me procure. Fiquei muito triste com toda essa história.

8 thoughts on “Amanda diz NÃO à melhor amiga”

  1. Caramba, por que tudo é bipolar? Sim ou não. Ser ou não ser… e neste caso, os dois lados da moeda.
    Tá lá, no rosário de nossas características, a falta de controle financeiro, o endividamento.
    Você não tem noção de como seu post me angustiou. Por sermos os dois lados da moeda. De um, quando conseguimos estabilizar o financeiro e de outro, quando estamos enterrados até o pescoço.
    Não que sua amiga seja também bipolar.
    Mas voltando ao bi, receber um não e dar um não. Estar seguro e ser inseguro.
    Eu penso que você fez o certo, você está se preservando, e foi o caminho do sofrimento que te ensinou a estabilidade e dizer não.
    Penso no desespero dela de receber o não, quando às vezes, somos o último biscoito do pacote para alguém.
    É a maneira que a vida tem para nos ensinar. E chega um momento em que somos obrigados a optar pela sinceridade.
    Sinceridade de fazer negócios lícitos
    Sinceridade de dizer não
    Generosidade em saber dizer não
    Generosidade em perdoar.
    Aguardemos o retorno da amiga à superfície.
    Abr. Dory

    1. Dory. então… Imagine a minha angústia e tristeza… Se eu não fosse bipolar, possivelmente toparia fazer essa favor a ela, mas meu equilíbrio é tênue, não posso brincar com a minha saúde. É uma pena. Acho que nossa amizade vai ficar abalada, mas não poderia agir de outra forma…

    1. Certo, não vou deixar virar um desencadeador, não, principalmente pelo respaldo dado pelo meu terapeuta hoje. Aliás, acho que se eu não tivesse fazendo terapia eu não teria tido a coragem de dizer não à minha amiga. Agora resta saber se é amiga ou ex-amiga… Bjs, Amanda Montenegro – Codinome: Vagalume.

  2. Eu aprendi que todo dia é hora de aprender a dizer não. E aprendi que as pessoas também precisam aprender a entender o nosso não. E isso é um limitante para elas. Porque o desespero da situação é tanto, ainda mais se tratando de dinheiro. Porque nesse caso, as pessoas ficam mais e mais desesperadas? Porque hoje a materialidade virou sinônimo de felicidade.
    Bom, não vou abrir outra seara de reflexão aqui.
    Se a amiga for amiga de verdade, ela vai entender seus argumentos e ficar de boa.
    Senão. .. sua estatística terá um número a menos, ou a mais. …
    Perdão, gratidão fazem parte.
    Beijo, fique bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.