O cômodo, a cirurgia e a mulher muito brava

Estou muito brava! Acabei de perder tudo o que havia escrito! Meu marido veio me interromper para eu entrar no internet banking para ele e eu acabei fazendo confusão.

Ai que ódio! Não que meu texto estivesse bom, na verdade estava bem medíocre, mas refazer tudo é um porre…!

O caso todo é o seguinte:

  1. Começaram as obras do cômodo que estou mandando construir no quintal para receber as coisas do meu marido, que ainda estão no sobrado bicentenário em que ele morava antes de vir morar comigo. Ele morava com a irmã, o cunhado e um sobrinho. Ele tem muitas coisas, ferramentas, livros, cadernos de anotações, e nada disso cabe na minha casa. Nem pôde trazer as roupas todas, pois meus armários estão apinhados. São dezesseis portas de armário, todas cheias de roupas minhas, lindas. A compulsão por compras, lembram? Esse é o saldo. Aliás, daqui a pouco vou sair para comprar outros dois vestidos.

 

  1. O cômodo foi inicialmente pensado para que meu marido não me abandonasse. Tenho pavor de ser abandonada. Mas agora estamos bem, ele não falou mais aquelas idiotices de precisar gostar mais de mim. Somos carinhosos um com o outro. Sexo não tem, mas não estou preocupada com isso agora. Minha libido decaiu por conta do coquetel de remédios que eu tomo.

 

  1. Meu marido vai fazer outra cirurgia, desta vez para a hérnia que se formou no local da cirurgia anterior, para a retirada da vesícula. Eu o observo cada vez mais nervoso. Tem insônia, hoje às três da manhã estava assistindo televisão. Diz que está com mal estar no estômago, boca e língua secas e doloridas, por conta do efeito colateral de um dos remédios psiquiátricos. Reclama e reclama.

 

  1. Se voltar a depressão dele eu estou perdida. Não quero nem pensar nisso. As crises, os surtos, Deus me livre! Falei para ele que eu não sei se aguento. Dei o recado. Quem sabe assim ele se autocontrola. Mas a verdade é que eu aguento, sim. Quero ficar com ele, detesto ficar avulsa.

 

  1. A mais recente sessão com o psicólogo está surtindo efeito. Vai surtir efeito! Eu vou parar de comprar e de comer no dia 11/09. Agora não paro porque tem festa no dia 10, e também porque eu quero comprar aqueles vestidos lindíssimos. Sem autocorrupção nenhuma, perceberam?

 

  1. Sou impaciente. A construção do cômodo e a cirurgia do marido me estressam por demais. Quero que tudo se resolva o quanto antes. Quando vai terminar essa construção? Quando o marido vai ser operado? Não sei lidar com indefinições. Vou fazer uma enquete nos sites de relacionamento do facebook dos quais participo para verificar se essa característica predomina em nós, bipolares.

2 thoughts on “O cômodo, a cirurgia e a mulher muito brava”

  1. Bom acho q a paciencia é tdo q/ precisa ter ,p/ q/ as coisas melhorem só c/ paciencia mesmo.Assim o comodo sai ,seu marido faz a cirurgia q/ ñ é coisa do outro mundo ,+ os homens são medrosos mesmo ,aliás nunca vi um hm ñ ser

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.