“A grande utopia de Kay”

Kay é uma garota de 17 anos. Bonita, meiga e inteligente. Ela tem bipolaridade e depressão. Ela nos enviou este belo texto.

 

“Em 1999, minha mãe estava grávida. Meu pai meio que não me queria por causa dos gastos. Minha mãe não teve uma boa gravidez, foi muito conturbada.

Depois de meu nascimento, ela teve depressão profunda e anorexia. Ela não tinha ânimo nem pra tomar banho. Meu pai dava banho nela. Houve um dia em que ela desmaiou no meio da cozinha, e meu papai pulava com ela, dizendo que ela estava fazendo graça.

A partir do momento em que eu ia crescendo meu pai ia me batendo. Quando eu tinha por volta de uns cinco anos, eu chupei um tabletinho inteiro de Halls (ansiedade). Meu pai comprou duas caixas de Halls (cada caixa vinha 20 tabletinhos) e me fez chupar tudo.

Na hora de comer, eu não queria comer, então ele me dava vários socos e tapas na cabeça. Todas as noites minha mãe chorava, e eu colocava sangue pelo nariz. Ia pro hospital direto, devido a uma sinusite e gripe muito forte.

Em 2007 meus pais se separaram. Eu e minha mãe fomos morar com meus avós. Até hoje moro com eles. Do ano de 2006 até 2013, eu sofria muito bullying. Em 2010 cortaram meu cabelo.

Em 2013, eu peguei uma revolta enorme das pessoas que me faziam sofrer no ensino fundamental, que criei um site pra falar mal de TODAS as pessoas da minha cidade. Descobriram que fui eu, fui ameaçada até de morte.

Enfim, hoje estou bem pior que antes, pois, naquela época, eu não ligava pra opinião de ninguém, eu era feliz com meu corpo. Dava muitas risadas e fazia o povo rir.

Hoje, virei uma idiota, trouxa dos outros, apática, complexada, que não vive na realidade, que o tempo todo vive em seu mundinho perfeito, onde a verdadeira Kay não tem medo de nada.

 

– ON –

Levanto-me. Olho aquele relógio velho, 6h. Espreguiço-me. Fico sentada na beirada da cama por alguns minutos, pensando em qual máscara da felicidade eu vou usar.

Vou ao banheiro, fito-me no espelho, e falo pra mim mesma: ”Sorte que as pessoas não conseguem ler seus pensamentos, de ver a sua alma. Elas chorariam de pena em ver esses fortes hematomas estampados em seu corpo, ou em alguns casos, iriam rir. Você sabe, nunca duvide da maldade do ser humano.”

Escovo os dentes, lavo meu rosto, enfim, o velho ritual da manhã. Já eram 7h. Pego minha mochila, saio de casa. Lembro-me que ouvi um ”Deus te abençoe” de meus avós.

Estou seguindo para uma rua calma e monótona, com alguns adolescentes rindo, outros mexendo no celular, outros comentando sobre o beijo que deram ontem nas paqueras. Suspiro e sigo ao meu destino, olhando para o chão.

Olha que flor linda que achei em uma das árvores que eu estava passando perto. Ah, que pena que você não consegue ver, ela realmente é uma bela flor, seu cheiro tão delicado, entrou em minhas narinas, tampando o vazio de minha alma.

Chego em casa e deparo-me com minha mãe aos prantos com o meu celular na mão. Sento-me ao lado dela e começo a acalmá-la, logo em seguida pergunto o que aconteceu. Pronto. Ela descobriu que eu estava planejando um suicídio por meio de uma conversa com meu amigo. Estou fitando seu olhar; a melancolia que paira sobre seus olhos negros é, de fato, devastadora. Ao ver as lágrimas cortando seu rosto, imediatamente a abracei, e pedi sinceras desculpas.

Já é noite. Abro meu notebook e começo a ver as fotos antigas de quando eu era uma criança feliz. Confesso que sorri ao me ver sorrindo em uma das fotos. Estou vendo várias pessoas boas que me marcaram, e que vão ficar pra sempre em meu coração. Dou um suspiro de alegria. Uma nostalgia invade minha alma. Começo a rir, as pessoas daqui de casa acham que eu sou louca.

Temos momentos de felicidade, sim, temos, mas também temos os maus momentos. Eu só quero dizer pra você que quer desistir da vida: Não desista! Por favor! Você é uma pessoa incrível! Não se deixe levar pelos maus pensamentos e muito menos pelas pessoas que dizem serem suas amigas, mas no fundo só querem te ver deprimida(o), em cima de uma cama. Pense no que estou falando, não vale a pena você desistir de sua vida. Você tem uma pessoa que te ama e que te admira do jeitinho que você é. E essa pessoa sou eu! Se você esta triste, angustiada(o), sinta-se abraçada(o) por mim!”

 

8 thoughts on ““A grande utopia de Kay””

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.