Amanda e o sexo

Aproveitando o mote do Bruno Deprê, autor do post anterior, vou contar a minha vida sexual.

Sexo: adoro! Acho luxuriante, inebriante, voluptuoso.

Meu início foi um desastre, conforme relatei no post Cafa número um.

Com o Cafa número dois eu era muito inexperiente e ingênua. Para se ter uma ideia, uma vez estávamos transando e eu não sabia se ele estava me penetrando pelo ânus ou pela vagina (!). Desconfiava que era pelo ânus, mas não tinha certeza. Não sentia nada, apenas tentava corresponder ao que ele fazia.

Mas depois I had my moments.

Considero o início da minha vida sexual com o Meu melhor namorado. Com ele senti orgasmo pela primeira vez. Era uma intimidade maravilhosa. Tomávamos banho juntos, fazíamos sexo o fim de semana inteiro, uma vez que morávamos em cidades diferentes e durante a semana não nos víamos. Quando ele chegava, iluminava o ambiente com sua aura clara. Quando ia embora, eu ficava em casa chorando.

Ele não era muito habilidoso em questões sexuais, preocupava-se pouco ou nada com as preliminares. Mas tínhamos uma química ótima e eu gozava toda vez que transávamos.

Mas o auge do meu prazer e da minha alegria foi mesmo com O grande amor da minha vida. Ser tocada por ele, nossa, era demais. A sensação de ele me penetrando era indescritível. Nota dez na escala da felicidade.

Depois dele, nunca mais gozei com homem nenhum, exceto uma única vez com o Marido número cinco. Eu estava tentando ensinar a ele como me fazer gozar, mas ele não estava muito interessado na lição. Portanto, só senti orgasmo com três homens, sendo que com um deles foi uma vez só. Nunca senti orgasmo com parceiros eventuais. Preciso ter intimidade e me sentir segura. Sexo casual para mim não rola.

Nos períodos de vida de solteira, eu me masturbava todos os dias. Usava um travesseiro entre as pernas, na ausência da coxa de um parceiro. Muitas vezes, para aumentar o clímax, assistia vídeos de casais se beijando. Nada me deixa mais excitada que o beijo.

Orgasmos múltiplos, nunca tive, e nem orgasmo vaginal, só clitoriano. Há pouco tempo considerava orgasmos múltiplos uma lenda urbana, até que três amigas relataram que já tiveram. Senti-me assim: tem uma festa  acontecendo e não me convidaram!

Então veio o transtorno bipolar e todos os seus remédios brochantes. E veio também o casamento brochante, com o meu Marido atual.

Ontem, pela primeira vez em muito tempo, fiquei bastante excitada. Tenho conversado com um moço pela internet e por telefone, e comecei a me sentir cada vez mais atraída. Abri o jogo com ele, e nossa conversa tornou-se picante.

Senti o clamor do sexo. Molhei a calcinha. Hoje de manhã, quando acordei, ainda estava excitada.

Não estou morta, minha gente, estou bem vivinha. Que bom.

6 thoughts on “Amanda e o sexo”

  1. Com muita certeza, o sexo , é um dos grandes apoios para quem tem distúrbios comportamentais , onde a medicina alopática taxa de Bipolaridade , esquizofrenia etc .
    E você teve a Sorte, de poder realizar este evento tão importante na Vida de Todos , O que não acontece na maioria dos casos, Principalmente quando quem é vitima desta Síndrome é Homem , Que dificilmente consegue Realizar este ato,pois a dificuldade de ser desejado ou querido por uma mulher , é Muito remota .
    E, isso é um dos maiores problemas para estabilização mental, onde a Medicina , para tentar resolver os surtos ( que não resolvem ) prescrevem até 6 tipos de drogas, ao infeliz que tem estes problemas , Tornando o mesmo em ZUMBI , e em Muitos casos, se transformam, até fisicamente e fisionomicamente.
    E passam a ser dependentes químicos …
    A Mulher,leva vantagem neste caso .

    Mestry Badahra
    mestrybadahra@gmailk.com

  2. Minha querida, vida sexual de bipolar é um capítulo a parte, tenho que ter um controle supremo pq sim, eu adoro sexo.
    Tenho facilidade em separar homens que me atraem sexualmente daqueles que me despertam sentimento (se bem que orgasmo só com um alto nível de intimidade).
    Hoje, já tenho controle sobre minhas escolhas, no meu corpo mando Eu e não o transtorno, mas a ando encontro alguém que a química completa, não tem rivotril cm carba que tire meu tesao.

    1. Oi,Vitória Simões! Acho que somos bem parecidas, tanto em questão de gostar de sexo quanto em questão de só ter orgasmo com alto nível de intimidade. Nós somos complicadinhas, né? Abraços, Amanda Montenegro.

  3. Oi, Mestry Bandahra! Não entendi porque você faz a distinção dos prejuízos causados pelos psicotrópicos ao homem e à mulher. Poderia detalhar mais essa abordagem? Abraços, Amanda Montenegro.

  4. AMANDA É QUE PARA O HOMEM, FICA DIFÍCIL OS REMÉDIOS INTERFEREM NA EREÇÃO, ASSIM PARA O HOMEM É COMPLICADO…. E CLARO O HOMEM QUER GOZAR E DA PRAZER TAMBÉM A PARCEIRA…. É BEM POR AI…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.