Amanda, gatos e cães

Primeiro, a triste notícia: a Raebe morreu. Eu, dois dias de cama. Agora que finalmente estou me recuperando, voltando aos trabalhos. Mas não posso olhar a foto dela.

Vamos falar sobre a minha ligação com gatos e cães.

Gatos, não gosto. Me parecem interesseiros e egoístas. Como nunca tive um gato, posso estar totalmente errada. Mas não simpatizo com eles, não.

Já os cães, nossa… Como eu os adoro! Existe animal mais assistencial que um cachorro? Descobrem vítimas em escombros, puxam trenós na neve, alegram crianças em hospitais, ajudam a polícia no patrulhamento, são guias de cegos, deixam qualquer ambiente mais “humanizado”.

Pronto, já comecei a chorar por causa da Raebe. Tão carinhosa…!

Nunca tive a sorte de conviver com um cachorrinho desde o nascimento até a sua morte. Tive uma cachorrinha linda na cidade em que morava anteriormente, muito apegada a mim, vivaz e inteligente. Ela eu peguei na rua, abri a porta do carro e ela entrou. Chamava-se Sophie. Não pude trazê-la para esta cidadezinha, teria que vir de carro e não tinha carro. E, na época, eu não tinha nem saúde para encontrar uma solução.

Prefiro cachorrinhas a cachorrinhos, mas ambos me são encantadores.

O episódio mais trágico que já me aconteceu relacionado a animais foi com o Xung, meu cachorrinho pequinês. Era aniversário da minha irmã e nós, as crianças, estávamos brincando na rua em frente da casa. Uma rua tranquila, sem tráfego. De repente veio um carro em alta velocidade e atropelou o Xung. Entrei em estado de choque. Peguei-o no colo e a minha roupa ficou toda suja de sangue. Lembro da expressão de tristeza dos seus olhinhos, como se estivesse preocupado com a minha dor. Entrei em casa gritando e chorando. Meu tio me recebeu com um grande tapa na cara (para eu sair do choque). Não precisava, eu precisava era de colo. Foi muito, muito triste.

Nunca comprei cachorros, sempre peguei da rua ou em associações de proteção. Adoro vira-latinhas.

Hoje, gostaria muito de ter duas cachorrinhas, mas meu marido não quer. Para mim, seria uma felicidade, mas ele está irredutível, infelizmente.

2 thoughts on “Amanda, gatos e cães”

  1. Amanda querida. Primeiro, você tem um grande coração. Os cãezinhos são realmente nossos melhores amigos. Os gatos têm a personalidade forte mas também são adoráveis.
    Eu já tive a oportunidade de ter um bichinho desde o seu nascimento e vê -lo partir. Eu decidi a sua partida. Os olhos dela minavam sangue. A boquinha era pura ferida. E eu não tinha mais dinheiro para tratar dela. Eu estava sem dinheiro para pagar aluguel quanto mais pagar tratamento para leishmaniose. Ninguém sabe que ela foi sacrificada. Ela não sofreu o sacrifício. Estava sedada e morreu como um passarinho. Eu a amava muito. Era geniosa e ranzinza. Mas nós duas nos entendíamos. E ela foi muito amada.
    Hoje estou sozinha. Às vezes penso em sim mas depois penso em não. Não me sinto em condições de cuidar de alguém…. Penso em um gato. Sua independência talvez fosse legal.
    Melhor não. Eu sinto que eu estou melhorando a cada dia.
    Um passo de cada vez.
    Talvez seu marido não deixe por conta do seu sofrimento.
    Faça como eu: os bichinhos são sobrinhos. Brinco, pego, amo. Depois vou para minha casa. Fica a saudade. Depois eu os vejo novamente.
    Fique bem querida.
    Um dia de cada vez.
    O luto demora um pouco.
    Mas passa.
    Beijos com carinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.