Meus queridos leitores

Meus queridos leitores, estou muito feliz de finalmente conseguir voltar a falar com vocês!

A crise de depressão passou – estou apenas dormindo mais que o habitual, e tremendo bastante. O meu padrão de pensamentos está bom, estou calma e otimista, como é do meu temperamento.

Quanto ao orçamento doméstico, estamos conseguindo controlá-lo. Sozinha eu não conseguiria, meu marido ajuda bastante. Nós estamos bem. Sexo continua uma lacuna, mas não crio expectativas.

Quanto ao centro espírita, faz tempo que não vou. Duvido da minha mediunidade. De qualquer forma, agora que estou bem, vou voltar ao centro espírita.

Vocês devem ter reparado que o site está remodelado, hum? A nova configuração permite visualizar os posts mais facilmente. Também criei a categoria “Autores Convidados”, para valorizar os textos das pessoas que contribuem com meu site.

Enfim, acho que a crise de depressão serviu para que eu ficasse mais consciente da gravidade da minha doença (transtorno bipolar). Eu que era tão ciosa da minha estabilidade, fui obrigada a admitir que sou vulnerável.

Felizmente estou me relacionando bem com a minha mãe, o que significa muito para mim. Todo domingo às 17h eu e meu marido vamos à casa dela, que nos recebe sempre com quitutes.

Com a família do meu marido, tudo muito bem. Família numerosa, festeira, unida. Gosto de todos, e todos me tratam com gentileza.

Neste período sem escrever para o site, pude perceber o quanto ele é importante ao dar significado à minha vida. Vejam bem, moro numa cidadezinha, sem acesso à informação de ponta, sem acesso à cultura de ponta, o que eu posso fazer aqui? Minha vida seria vazia se não pudesse interagir com vocês leitores e com os outros autores, que tanto me ajudam a lidar com a bipolaridade. Viva a internet!

Aqui nesta cidadezinha não há muitas opções de diversão. Além disso, eu e meu marido não saímos para não gastar dinheiro, neste tempo de escassez. Ele não faz questão, mas eu sinto falta. A diversão que temos são as festas que a família dele faz amiúde. As festas são bem legais.

Meu carro foi reformado, uma vez que ia ser vendido. Mas não foi vendido e agora está novinho. Durante a semana não saio com ele, meu marido me leva aonde preciso. Saio com ele aos sábados à tarde, quando meu marido vai praticar seu hobby. Às vezes me sinto solitária sábado à tarde, o que não me é peculiar, pois sempre me senti bem na minha própria companhia. Mas é resquício da crise de depressão, que me deixou mais sensível. Contribui também o fato de não ter nada para fazer nesta cidadezinha.

Bem, no contexto geral, o cenário é alvissareiro. A crise passou, viva a saúde! A luz do vagalume voltou a brilhar!

4 thoughts on “Meus queridos leitores”

  1. Que bom que voltastes, que voltamos!
    Sinto sua falta, sinto falta de tudo, de escrever, de conversar…

    chorei até!
    tanta coisa para contar amiga!!!!
    um beijo enooooorme

    Dory

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.